SAÚDE

SAÚDE

quarta-feira, 21 de setembro de 2022

ECONOMIA Prefeituras recebem cerca de R$ 986 milhões do FPM nesta terça-feira (20)


 O segundo repasse de setembro do Fundo de Participação dos Municípios (FPM) às prefeituras será 11,28% maior do que a transferência feita no mesmo período do ano passado. Nesta terça-feira (20), os municípios partilham pouco mais de R$ 986 milhões, já com o desconto de 20% do Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica e de Valorização dos Profissionais da Educação (Fundeb). 

As prefeituras receberam mais de R$ 886 milhões no segundo decêndio de setembro de 2021. Se considerada a inflação de 8,73% nos últimos 12 meses, segundo o IBGE, a alta real do repasse do FPM é de cerca de 2,5%. 

Especialista em orçamento público, Cesar Lima afirma que a diminuição das alíquotas de IPI de cerca de 4.000 produtos provavelmente reduziu a arrecadação com o imposto, que é uma das bases do FPM. Mas a perda foi compensada porque a economia do país melhorou, impactando o recolhimento do Imposto de Renda. 

“Apesar da queda na arrecadação do IPI, muito provavelmente por causa desse decreto de desoneração, houve um significativo aumento no recolhimento do IR, até por conta do crescimento no emprego formal; a atividade de serviços tem melhorado bastante. Então, o Imposto de Renda tem segurado esse crescimento do FPM”, avalia. 

Localizado no oeste mineiro, o município de Carmo do Cajuru tem metade de suas receitas dependentes do FPM. Nesta terça-feira, a cidade recebe quase R$ 170 mil do fundo. O prefeito de Carmo do Cajuru, Edson Vilela, destaca que o aumento da transferência em relação ao mesmo período de 2021 corrige as perdas que a inflação causou no último ano. 

“A importância é de, pelo menos, não existir o achatamento. Nós sabemos que a maioria dos municípios brasileiros dependem do FPM. Carmo do Cajuru também depende. Estamos aumentando consideravelmente a nossa receita própria ano a ano, mas a gente sabe muito bem que se não houver um acompanhamento mínimo da inflação ou que seja superior à inflação vai complicando os municípios brasileiros”, afirma. 

Segundo a prefeitura, Carmo do Cajuru tem mais de 24 mil habitantes. Assim como ocorre em boa parte dos municípios de pequeno porte, o FPM é importante para o equilíbrio do orçamento local. Com o objetivo de diminuir a dependência do fundo e dar fôlego ao cofre municipal, Vilela diz que a gestão tem trabalhado para digitalizar os serviços públicos prestados à população e investido em fontes renováveis de energia, como a solar. Tais ações, ele diz, ajudaram a reduzir as despesas. 

FPM: quanto seu município vai receber

FPM: bloqueios

Segundo a Secretaria do Tesouro Nacional, até a última sexta-feira (16), 44 municípios estavam bloqueados e, portanto, não devem receber o repasse do FPM se não regularizarem suas pendências. 

FPM: municípios com repasses bloqueados

  1. ÁGUA BRANCA (PB)
  2. ALTO LONGÁ (PI)
  3. ALTÔNIA (PR)
  4. BONINAL (BA)
  5. BREJO GRANDE DO ARAGUAIA (PA)
  6. CAMPO ALEGRE DO FIDALGO (PI)
  7. CAMPOS LINDOS (TO)
  8. CANDIOTA (RS)
  9. CANGUARETAMA (RN)
  10. CAPITÃO POÇO (PA)
  11. CARAPEBUS (RJ)
  12. CASEARA (TO)
  13. CHOROZINHO (CE)
  14. CRISTINÁPOLIS (SE)
  15. DOIS IRMÃOS DAS MISSÕES (RS)
  16. FERREIRA GOMES (AP)
  17. IATI (PE)
  18. ILHOTA (SC)
  19. IPAPORANGA (CE)
  20. JAMPRUCA (MG)
  21. JAPARATUBA (SE)
  22. JARI (RS)
  23. LIVRAMENTO (PB)
  24. MANGARATIBA (RJ)
  25. MANOEL RIBAS (PR)
  26. MARCAÇÃO (PB)
  27. MIRAGUAÍ (RS)
  28. NAZAREZINHO (PB)
  29. NOSSA SENHORA DAS DORES (SE)
  30. OLHO D'ÁGUA (PB)
  31. PARAUAPEBAS (PA)
  32. PESQUEIRA (PE)
  33. PILAR (PB)
  34. PITIMBU (PB)
  35. POÇO REDONDO (SE)
  36. RIBEIRÃO VERMELHO (MG)
  37. RIO DAS OSTRAS (RJ)
  38. RIO NEGRO (MS)
  39. RIO QUENTE (GO)
  40. SÃO JOÃO DE MERITI (RJ)
  41. SÃO SEBASTIÃO DO UATUMÃ (AM)
  42. SERRA GRANDE (PB)
  43. SIMOLÂNDIA (GO)
  44. TEIXEIRA (PB)

De acordo com a Confederação Nacional do Municípios (CNM), os principais motivos para que uma prefeitura seja impedida de receber o FPM são:

  • Ausência de pagamento da contribuição ao Pasep;
  • Dívidas com o INSS;
  • Débitos com a inscrição da dívida ativa pela Procuradoria-Geral da Fazenda Nacional (PGFN);
  • Falta de prestação de contas no Sistema de Informações sobre Orçamento Público em Saúde (Siops). 

Para desbloquear o repasse, o município deve identificar o órgão que determinou o congelamento. Em seguida, deve conhecer o motivo e regularizar a situação. Vale lembrar que a prefeitura não perde definitivamente os recursos bloqueados. Eles apenas ficam congelados enquanto as pendências não são regularizadas. 

FPM: o que é?

O FPM é um fundo pelo qual a União repassa, a cada dez dias (por isso o nome “decêndio”), 22,5% do que arrecada com o IR e o IPI aos municípios. A cada mês, portanto, são três transferências, que ocorrem nos dias 10, 20 e 30. Se a data cair no sábado, domingo ou feriado, o repasse é antecipado para o primeiro dia útil anterior. O dinheiro das prefeituras é creditado pelo Banco do Brasil. 

Os percentuais de participação de cada município são calculados anualmente pelo TCU de acordo com o número de habitantes de cada cidade e a renda per capita dos estados. Os municípios são divididos em três categorias: capitais, interior e reserva. As capitais dos estados e Brasília recebem 10% do FPM. Os demais municípios brasileiros são considerados de interior, e embolsam 86,4% do fundo. Já os municípios de reserva são aqueles com população superior a 142.633 habitantes e recebem – além da participação como município de interior – uma cota adicional de 3,6%.  



Fonte: Brasil 61

Nenhum comentário:

Postar um comentário