Lima Souza news

Lima Souza news

radio

segunda-feira, 30 de agosto de 2021

Em convocação para o 7 de Setembro, evangélicos mostram fidelidade a Bolsonaro

 As igrejas protestantes como Batista, Metodista e Presbiteriana, por sua vez, deram menos atenção ao chamamento para os atos bolsonaristas

Líderes de igrejas evangélicas se mobilizam para convencer fiéis a participar das manifestações de 7 de Setembro, em apoio ao presidente Jair Bolsonaro. No momento em que o chefe do Executivo perde popularidade, capital político e incentiva o confronto com o Supremo Tribunal Federal (STF), a cúpula de denominações neopentecostais e pentecostais continua apostando nele. As igrejas protestantes históricas, como Batista, Metodista e Presbiteriana, por sua vez, deram menos atenção ao chamamento para os atos bolsonaristas. A última convocação para o 7 de Setembro circulou no WhatsApp na semana passada. São pastores televangelistas e influenciadores digitais. Aparecem no vídeo Cláudio Duarte (Projeto Recomeçar), Renê Terra Nova (M12), Samuel Câmara (Assembleia de Deus em Belém), César Augusto (Fonte da Vida), Silas Malafaia (Vitória em Cristo) e Estevam Hernandes (Renascer em Cristo). Outro rosto conhecido na gravação é o do ex-senador Magno Malta (PL-ES), que é cantor gospel. Dirigentes da Sara Nossa Terra e das Assembleias de Deus Madureira-Brás e Ministério do Belém também apoiam o ato, embora não estejam no vídeo. Ao lado de associações de policiais, clubes de militares das Forças Armadas, entidades ruralistas e representantes de caminhoneiros, os evangélicos prometem se encontrar pessoalmente com Bolsonaro na Avenida Paulista, em São Paulo. Os pastores devem subir no carro de som do movimento Nas Ruas, ao qual a deputada Carla Zambelli (PSL-SP) é ligada. Os evangélicos já haviam participado de manifestações pró-Bolsonaro, como alguns “jejuns nacionais” virtuais convocados pelos pastores, em datas como a Páscoa e em oração pelo fim da covid-19. A presença desses fiéis também foi observada nos passeios de moto que Bolsonaro promove ao redor do País, mas de forma menos articulada entre as denominações. “Nunca vi uma mobilização de evangélicos como dessa vez. É grande o movimento, de norte a sul, de leste a oeste, de tudo o que é igreja”, disse Silas Malafaia ao Estadão. “Hoje o maior poder de mobilização vem dos evangélicos e da turma da direita, que não têm vínculo partidário, mas ideologia.” As convocações ganharam fôlego neste mês. O próprio Malafaia voou no avião presidencial com parlamentares da bancada cristã e discursou contra ministros do Supremo. A pauta da vez nada tem de religiosa. Os dois pontos principais são a destituição de ministros do STF e o voto impresso, temas já superados no Congresso. Para Malafaia, é preciso dar uma “resposta” ao ministro do Supremo Alexandre de Moraes. Responsável por conduzir na Corte inquéritos contra Bolsonaro e aliados, Moraes foi alvo de um pedido de impeachment – rejeitado pelo Senado – assinado pelo presidente. “Se fosse questão de partido ou algum interesse político, estávamos fora. Mas o que está em jogo é a liberdade de expressão e, numa outra etapa, se nos calarmos agora, a liberdade religiosa”, afirmou Malafaia. Com 6 milhões de seguidores no Instagram, o pastor Claudio Duarte fez a convocação para o 7 de Setembro durante um culto. O vídeo logo se espalhou por grupos de WhatsApp e a adesão se intensificou após o bloqueio de perfis virtuais e da prisão do ex-deputado Roberto Jefferson, presidente do PTB, por ataques à democracia. “O que me chamou a atenção foi a expressão ‘milicianos digitais’. O que mais me preocupou foi qualquer pessoa com posição contrária numa rede social receber um rótulo novo, o que indica que qualquer pessoa que expuser sua opinião contrária, num país que se diz democrático, vai ser presa”, afirmou Duarte. “Estamos à beira de uma revolução, de uma guerra civil e não estou potencializando. Estou alertando a igreja.” Apesar do tom bélico, há um esforço nos últimos dias para afastar o viés autoritário da manifestação. Os pastores dizem que o ato será pacífico e querem ampliar o público, sem ficar restrito ao “bolsonarismo raiz”. Tentam apelar ao discurso de defesa da liberdade de expressão. “Já, já não vamos poder falar nada dentro de uma igreja. Para pregar o evangelho, não preciso falar contra homossexualidade, contra o racismo”, reclamou Duarte. “Não sou bolsonarista, sou pró-governo, sou a favor do bem-estar de todos.” O bispo Robson Rodovalho, da Sara Nossa Terra, disse que a intenção é promover uma passeata cívica, em defesa da Constituição. “Nosso presidente pediu essa manifestação do povo. É importante mostrar que estamos acompanhando cada decisão do Legislativo, do Executivo e do Judiciário”, observou Rodovalho. “Que cada Poder se mantenha no seu espectro, que encontre uma maneira de resolver os conflitos conversando. Tem havido muito ativismo, não só em um endereço. Nossa geração é muito midiática, estica a corda desnecessariamente e isso traz instabilidade, incertezas e insegurança. Então, vamos para a rua.” Sem desfile. Desde o início do mandato do presidente, o 7 de Setembro foi usado para uma aproximação com as igrejas. Na parada militar de 2019, Bolsonaro convidou para a tribuna o bispo Edir Macedo, da Igreja Universal do Reino de Deus. A Universal ainda não se engajou explicitamente na manifestação. O desfile em Brasília não será realizado, a exemplo do que ocorreu no ano passado, por causa da pandemia. O antropólogo Ronaldo de Almeida, professor da Unicamp e pesquisador do Centro Brasileiro de Análise e Planejamento (Cebrap), avaliou que o ato ocorrerá num contexto de perda de apoio a Bolsonaro entre os evangélicos. “Alguma mobilização vai ter, mas a pergunta é: quanto? Essa passeata vai ter muito ‘bolsonarismo raiz’. Minha impressão é de que o apelo não é tão grande e que o evangélico que vai para o 7 de Setembro é porque é bolsonarista.” Estadão Conteúdo Fonte:https://jornaldebrasilia.com.br/

Secretário de Trânsito e Mobilidade Urbana de Águas Lindas de Goiás, Carlos Braz, faz balanço das principais ações da pasta sob sua responsabilidade

 

Formado em Engenharia Civil pelo Centro Universitário Planalto do Distrito Federal, também estudou administração na Faculdade Brasil Central, o secretário Municipal de Transito e Mobilidade Urbana Carlos Braz, fez recentemente um resumo dos primeiros sete meses de sua gestão como secretáio municipal. “A primeira ação e mais importante foi sem dúvida a revitalização das paradas de ônibus, seguindo o projeto do prefeito Dr. Lucas que idealizou uma cidade com jardinagem, arborização nas rotatórias, e agora com cultura também, através das pinturas e obras de artes. A segunda ação foi a revitalização da sinalização horizontal, mesmo com alguns problemas na tintura aplicada, apear de muita terra, e outros problemas que causaram a deterioração mais rápida da sinalização, estamos buscando em Brasília outras tintas para alcançar a padronização ideal com muita qualidade para as faixas de pedestres.”, disse o secretário
Sobre as ações de fiscalização, como a secretaria de Transporte atuou nessa tarefa importante durante a pandemia? Secretário: “No auge da pandemia desenvolvemos várias ações de fiscalização em junto com a vigilância sanitária, outros órgãos do governo, Polícia Militar e ANTT e, neste momento estamos com a parceria com a PRF na fiscalização dos transportes irregulares e nessa semana foram apreendidas algumas vans piratas, que não respeitavam as normas estabelecidas.” Como aconteceu o projeto de revitalização da GO- 547, e qual a participação da Secretaria de Transportes nessa execução de uma obra estadual? Secretário: “Essa revitalização da Rodovia GO-547 está acontecendo e começou acontecer no entrono de Brasília, e inicialmente seria revitalizada somente até o Santa Lúcia, e através de reuniões e muito diálogo com a parte técnica da Goinfra, nós conseguimos demonstrar que a responsabilidade também é da empresa, pois não podemos recapear uma via somente quando ela estiver destruída, o trabalho de recapeamento é preventivo e essencial para diminuir gastos maiores, foi uma grande conquista do nosso Prefeito Dr. Lucas e também da população.” Qual era a pauta da reunião realizada recentemente com a COOPTRAP-ALG – COOP. DE TRANSPORTE DE PASSAGEIROS DE ÁGUAS LINDAS DE GOIÁS? Secretário:“ Nós sabemos que quem depende do transporte público busca diariamente melhorias, então, essa reunião foi para ajustar o cumprimento dos horários, itinerários, trabalhamos diuturnamente no cumprimento de rotas e horários, com rotas mapeadas, quanto de saída quanto de passagem em cada setor, até que seja implantado o Aplicativo com muita tecnologia que vai operar com GPS e monitorar todos os ônibus da rota, será feito controle em tempo real do transporte, assim o usuário vai sair de casa somente quando o seu ônibus estiver próximo.” Qual o canal de comunicação que o usuário poderá entrar em contato para fazer reclamações, dirimir dúvidas ou solicitações juntamente à Secretária de Transporte e Mobilidade Urbana? Secretário: “Nossos canais estão abertos para toda a população, e poderão ser acessados a qualquer momento, temos o site oficial da prefeitura, e-mail e telefone (61) 3550-6173 que é o canal direto da Diretoria do Transporte Urbano do Munícipio.” Fonte e Fotos: SECOM Entrevista cedida ao Jornalista Alyson Lemos 

sábado, 28 de agosto de 2021

Governo Municipal realiza reunião estratégica com forças militares do município

 

Aconteceu na manhã desta quarta-feira (25), na sala de reuniões da Prefeitura de Águas Lindas de Goiás, uma reunião do Governo Municipal e os comandos das forças de segurança militares do município, como o Polícia Militar, Polícia Civil e Corpo de Bombeiros. Em pauta, foram tratados os avanços e desafios da segurança pública do município em suas peculiaridades. O prefeito de Águas Lindas de Goiás, Lucas Antonietti se colocou à disposição para contribuir com políticas públicas municipais que visam somar com a segurança pública da cidade como, a implantação da Guarda Municipal. O prefeito também falou sobre o compromisso junto ao governo estadual de acompanhar a celeridade do processo de entrega do IML, obra que está praticamente pronta, compromisso este que já foi tratado em duas agendas pessoais com o Governador Ronaldo Caiado. “ Estive com o governador Ronaldo Caiado por duas vezes tratando da inauguração do IML, falta pouco para entregar essa obra ” afirmou o prefeito. Na ocasião, o prefeito Lucas Antonietti recebeu a Medalha de Honra ao Mérito Tiradentes, uma condecoração criada pela Polícia Militar do Estado de Goiás coma finalidade de reconhecer e valorizar autoridades pelas ações e méritos excepcionais em prol da segurança pública de Goiás.
Ainda este ano no episódio da operação para a prisão do criminoso Lázaro Barbosa na região de Cocalzinho Goiás, especificamente em Girassol, seu distrito, a Prefeitura Municipal de Águas Lindas cedeu apoio logístico à operação que após 20 dias, obteve êxito. Juntamente com o prefeito Lucas Antonietti, acompanhado do vice, Jorge Amaro, estiveram também presentes na reunião, o comandante do 17º BPM, Tenente Coronel Ricardo Neves; Capitão Pina, comandante da 35ª CIPM, Capitão de Faria, comandante da 15ª CPE; Major Ramalho, comandante do 20º Batalhão de Bombeiro Militar; Renato Cavalheiro, representando a 17ª Delegacia Regional de Polícia Civil,Tenente-Coronel Bastos, Subcomandante do 17º CRPM e o Coronel Moura, Comandante do 17º CRPM.
Por Alyson Lemos/SECOM ÁGUAS Lindas de Goiás / LIMA SOUZA

sexta-feira, 27 de agosto de 2021

Governador Caiado destaca avanços na 11ª Expert XP 2021

 


Governador foi um dos convidados de megafestival 100% digital que reúne os maiores especialistas, empresários e influenciadores que debatem temas como mercado financeiro, política, economia e empreendedorismo no cenário pós-Covid-19


O governador Ronaldo Caiado participou, nesta quarta-feira (25), da Expert XP 2021, megafestival sobre investimentos com mais de 200 palestrantes e 500 mil inscritos. Por meio de videoconferência, debateu o tema “O Brasil do futuro: desafios dos governos no pós-pandemia”. Ele destacou os avanços na saúde com a regionalização dos serviços e o aumento de leitos para atendimento de pacientes com Covid-19. Enumerou iniciativas históricas para manter Goiás na vanguarda do Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (Ideb). E descreveu os programas sociais voltados para população mais vulnerável do Estado.


O encontro contou com a participação do governador do Piauí, Wellington Dias, e foi mediado por Richard Back (Head - Macro Sales, Estratégia e Análise Política da XP Investimentos) e Junia Gama (analista política).


A 11ª edição da Expert XP reúne os maiores especialistas, empresários e influenciadores no maior evento sobre investimentos do mundo. 100% digital, é composto por palestras sobre mercado financeiro, política, economia e empreendedorismo no cenário pós-Covid-19. Entre os convidados da edição que se encerra nesta quinta-feira (26/08) estão a ex-secretária de estado e ex-senadora, Hillary Clinton, presidente do Supremo Tribunal Federal, jurista Luiz Fux, treinador de futebol, Pepe Guardiola e ganhadora do prêmio Nobel, Malala Yousafzai.


O governador iniciou o bate-papo ao explicar que Goiás foi o primeiro Estado a decretar o isolamento social, mesmo com resistência do setor produtivo. “Tínhamos, na época, pouco mais de 200 leitos de Unidade de Terapia Intensiva (UTI), em três municípios. A primeira onda só ocorreu em agosto, e não em junho. Conseguimos segurar para que fosse criada uma estrutura para atender todos os goianos”, lembrou Caiado ao ressaltar o trabalho de regionalização da saúde. Hoje são 952 leitos de UTI espalhados por todo território goiano.


Caiado citou investimentos superiores a R$ 1,3 bilhão no setor educacional, com construção de novos colégios, reforma de mais de mil unidades de ensino, material escolar e uniformes gratuitos, além de parceria com o Google para o ensino híbrido. “Agora estamos repassando Chromebooks a todos os estudantes da terceira série do ensino médio. Queremos manter o primeiro lugar no Ideb e avançar na nota”, disse.


No setor social, citou o Índice Multidimensional das Famílias Carentes (IMCF), ferramenta lançada no início do governo, que identificou os 62 municípios mais carentes do Estado. “Por meio disso foram criadas políticas e incentivos nessas regiões para termos um Estado menos desigual”, disse


Caiado reafirmou a preocupação com a segurança alimentar. “O cuidado que tenho no governo, e peço aos meus secretários, é que busquemos solução para atacar isso diretamente, para que algumas pessoas não entrem em colapso na parte social”. Ele citou a distribuição de 1 milhão de cestas básicas desde o início da pandemia.


O governador pontuou o programa Aprendiz do Futuro, que conta com 5 mil vagas de trabalho para estudantes de 14 e 15 anos, que também passam por qualificação. Os adolescentes selecionados têm bolsa R$ 516,66, vale-alimentação de R$ 150, vale-transporte, 13º salário, seguro de vida e uniforme. Também destacou o Mães de Goiás, que vai garantir R$ 250 por mês a famílias em vulnerabilidade social. A expectativa é atender cerca de 100 mil goianos a partir de setembro de 2021.



Congresso

Durante o Expert XP 2021, Caiado comentou a Proposta de Emenda à Constituição (PEC), do governo federal, que prevê parcelamento de precatórios para viabilizar programas de distribuição de renda. “O Estado não suporta a redução de repasse. Diminuir recursos é complicado”, afirmou o governador. Ele reconheceu a importância de benefícios, como o auxílio emergencial.


Sobre a proposta com alterações nas regras para o Imposto de Renda (IR), Caiado analisa que é preciso diálogo. “Se não chegarmos a um entendimento, não será votado. Construir maioria no Congresso é um árduo trabalho e é preciso concessões de todos os poderes para chegar num ponto de concórdia, para não ter algo pior”, afirmou.


O governador fez a mesma avaliação sobre a Proposta de Emenda à Constituição (PEC) da reforma tributária. Para os dois temas (reforma e IR), ele disse que é preciso que as articulações do processo eleitoral de 2022 não influenciem no debate. “Tudo isso contamina. É preciso tirar essa tensão para conseguir neutralidade, bom senso e prevalência de técnica, ciência e pesquisa para elaborar”, analisou.


Questionado sobre as manifestações programadas para o dia 07 de setembro, Caiado disse que a “democracia é um regime efervescente. Já tivemos momentos mais tensos e acho que aprendemos: não podemos quebrar a ordem”. Segundo o governador, nenhum movimento tem direito de invadir qualquer estrutura de poder. “Isso é inaceitável. A presença das pessoas, o clamor delas de proferir a sua vontade são parte da democracia, mas não podemos permitir nenhum milímetro a mais do que a lei determina. Dentro das normas, toda manifestação é bem-vinda e aceita”, concluiu.


fonte: Secretaria de Comunicação

segunda-feira, 23 de agosto de 2021

“Todo mundo” quer ser vice de Caiado porque 2022 pode decidir jogo político de 2026

 Editorial--Por Editor Ronaldo Caiado, governador de Goiás, e Daniel Vilela, presidente regional do MDB| Foto: Divulgação

O governador trabalha para ser reeleito ao robustecer a musculatura de sua base político-eleitoral. Por isso Daniel Vilela deverá ser o seu vice O governador de Goiás, Ronaldo Caiado, do partido Democratas, é o favorito para a disputa de 2022. Tanto que, até o momento, as oposições não conseguiram definir um nome para enfrentá-lo. O PSDB e parte do Podemos tentam, de alguma maneira, produzir um postulante que não pertence aos seus quadros — Gustavo Mendanha, do MDB. O que prova, por si, a dificuldade de se lançar um candidato consistente para a disputa do próximo ano. Líderes do Patriota sugerem que podem bancar Jânio Darrot para a chefia do Executivo, com a ressalva de que o ex-prefeito de Trindade — por sinal, gestor competente — não empolga ninguém, talvez nem a si próprio. Na hora agá, o tucanato poderá bancar Marconi Perillo e o PT poderá lançar Kátia Maria para o governo. Por que Perillo disputaria o governo, se sua rejeição permanecer alta? Na verdade, não seria um candidato “para ganhar”, e sim para se apresentar como contraponto ao governador Ronaldo Caiado. Uma derrota pra um governador bem avaliado, com vasta experiência política, não será nenhum demérito para o tucano que governou Goiás por quatro vezes. Porém, se não for eleito para deputado federal, ficará uma mancha indelével no currículo, porque mostrará fragilidade. O fato é que Perillo não quer disputar o governo e, por isso, tem articulado com Sandro Mendez (ex-Mabel) a formatação de uma chapa com Mendanha para governador. A ressalva é que, com Daniel Vilela na vice de Ronaldo Caiado, dificilmente Mendanha terá discurso para uma campanha majoritária. Iria prevalecer, em toda a campanha, a tese de que “traiu” Daniel Vilela e a memória de Maguito Vilela. Os eleitores goianos perdoam muita coisa — menos ingratidão e traição. Se não há oposição externa para enfrentar Ronaldo Caiado, em igualdades de condições — eleitores dizem, nas pesquisas, que o governador é “competente”, “decente” e “preocupado com gente” —, há uma crise, digamos, de superprodução ou abundância, na base governista. Não se trata de uma crise de amplo espectro e, portanto, tende a não prejudicar o projeto de reeleição de Ronaldo Caiado. A crise é a seguinte: há uma superprodução de vices. É como se, de repente, “todo mundo” — expressão genérica, mas, no caso, válida —, quisesse ser vice do governador. Vale lembrar que, embora fosse o favorito para governador na disputa de 2018, não havia nenhuma fartura de vice. Lincoln Tejota foi escolhido para vice sem nenhum questionamento da base caiadista. Agora, com o governo bem-sucedido de Ronaldo Caiado — até empreiteiros (que, às vezes, são “vítimas” de políticos espertos) dizem que não há propina na gestão —, há mais “candidatos” a vice do que a governador. Por que, exatamente, a inflação de vices ou quase-vices? Simples assim: se Ronaldo Caiado for reeleito, a tendência é que, em 2026, deixe o governo para disputar mandato de senador — ao lado, possivelmente, do senador Vanderlan Cardoso (PSD). Ao deixar o governo, seu vice assumirá o governo e, como tal, será candidato à reeleição, com a possibilidade de vencer o pleito, dadas a aliança política encorpada e uma chapa majoritária poderosa, considerando que Ronaldo Caiado e, possivelmente, Vanderlan Cardoso postularão vaga no Senado.----Lissauer Vieira e Daniel Vilela: símbolos da renovação política| Foto: Reprodução
A rigor, há, no momento, três políticos mais bem posicionados para a disputa da vice: Daniel Vilela (37 anos), Lincoln Tejota (37 anos) e Lissauer Vieira (41 anos). Os três jovens são políticos de valor, com uma história política meritória. (Fala-se também na possibilidade de Roberto Naves, Vanderlan Cardoso e Adib Elias terem interesse pela vice. Mas é pura especulação. Os três estão noutra vibe.) Daniel Vilela foi vereador, deputado estadual, deputado federal e disputou o governo de Goiás em 2018, ficando em segundo lugar, à frente do candidato governista, José Eliton, do PSDB. Foi um parlamentar atuante e, como presidente do MDB, remontou as bases do partido no interior, contribuindo para a eleição de 28 prefeitos. Lincoln Graziani Pereira da Rocha foi deputado estadual por duas vezes e é vice-governador de Goiás. Na vice, segue o estilo de Marco Maciel, o discreto vice do ex-presidente Fernando Henrique Cardoso. Ronaldo Caiado tem um carinho especial pelo companheiro de jornada e o considera “proativo”. Não lhe causa problema algum. Lissauer Vieira era um deputado anódino, até surgir a oportunidade de assumir a presidência da Assembleia. À frente do Poder Legislativo, provando que a circunstância — ou oportunidade — faz o homem e vice-versa, consagrou-se como hábil articulador. Muito da governabilidade de Ronaldo Caiado deriva das habilidades de diplomata do político de Rio Verde, no Sudoeste goiano. Mesmo parlamentares das oposições consideram que, embora aliado do governador, mantém a Assembleia em alto nível, com sua autonomia preservada. O preferido da base governista é Lissauer Vieira. Porque, exatamente, não se sabe. Pode-se arriscar algumas hipóteses. Primeiro, nunca entrou em choque com as figuras tradicionais, portanto não tem arestas com o prefeito de Catalão, Adib Elias (Podemos), e com o senador Vanderlan Cardoso (PSD). Segundo, mantém relacionamento estreito com a base governista, até por ser presidente da Assembleia. Terceiro, é uma incógnita e, talvez por isso, esteja sendo “subestimado” (ou, noutra perspectiva, “superestimado”). Em sã consciência pode-se acreditar que, se assumir o governo em 2026, não se tornará candidato à reeleição no dia seguinte — barrando o projeto de, por exemplo, Vanderlan Cardoso? Em pouco tempo, estando no governo, vai se assenhorar da base governista. Basta verificar sua habilidade como presidente da Assembleia. Ele se tornou, rapidamente, o presidente de todos os deputados, e não apenas da base governista. Ronaldo Caiado tem apreço por Daniel Vilela, Lincoln Tejota e Lissaeur Vieira. Mas, em política, se impõe o mais visceral dos realismos. Primeiro, Lincoln Tejota e Lissauer Vieira já estão na base do governador e, independentemente de divergências pontuais, vão caminhar com ele em 2022. Segundo, os partidos dos dois, Cidadania e PSB, não têm expressão em Goiás. Tanto que Lissauer Vieira deve disputar mandato de deputado federal por outro partido. Terceiro, Daniel Vilela está se aproximando, mas ainda não pertence à base do governador e lidera um partido com longa história na política de Goiás — com figuras emblemáticas, como Iris Rezende e Maguito Vilela. Portanto, o emedebista soma para fortalecer a musculatura da base governista. Em 1998, Iris Rezende, se tivesse aceitado a participação do grupo de Marconi Perillo na sua chapa — como candidato a senador (emedebistas dizem que aceitaria até uma suplência) —, teria sido eleito. Mas, ao ouvir aliados — que lhe diziam que já estava eleito e que o melhor a fazer era discutir não a eleição, e sim a escolha do secretariado —, acabou perdendo. Um aliado assinalou, de maneira explícita: “Não precisamos do PSDB, pois podemos ganhar apenas com o PMDB e os pequenos partidos que nos acompanham”. Recentemente, um aliado de Ronaldo Caiado disse a um repórter do “Jornal Opção”: “Não precisamos de Daniel Vilela. Podemos ganhar a eleição apenas com a atual base”. É o mesmo discurso do irismo de 1998. Ocorre que Ronaldo Caiado é extremamente perspicaz e articula para atrair o jovem político para sua base e vai bancá-lo para vice. Até porque, com sua franqueza habitual, costuma dizer a aliados que a escolha do vice é uma prerrogativa do candidato a governador (a disputa para candidato a senador deve ser decidida por sua base política) Há outro detalhe: ele ouve com atenção os interlocutores, mas não admite ser pressionado. Ele exerce sua autoridade, porque não foi eleito para ser (co)mandado. Mendanha trai? Caiado não trai Há quem, no MDB, tema que Ronaldo Caiado, na hora agá, não cumpra o acordo com Daniel Vilela e, atendendo às pressões de sua base, não lhe dê a vice. O Jornal Opção ouviu dois caiadistas e dois adversários do governador. O que se lerá a seguir é uma síntese do que disseram: “Gustavo Mendanha pode até trair Daniel Vilela e a memória de Maguito Vilela, mas Caiado não trai. O que for combinado será cumprido”. Retomando a tese do realismo político, há outro aspecto a ressaltar. Se Mendanha decidir ser candidato a governador — com o apoio de Perillo e Sandro Mendez —, Daniel Vilela poderá ser o principal “antídoto” contra o prefeito de Aparecida de Goiânia. Primeiro, porque, na vice de Caiado, não permitirá que Mendanha leve prefeitos do MDB para sua campanha. Segundo, o prefeito ficará com a imagem de “traidor”. Terceiro, constará na campanha como o político que está tentando se tornar o “elixir da ressurreição” política do marconismo. Sem o apoio de Daniel Vilela, Mendanha ficará mais fraco. Porém, com o apoio do presidente do MDB, Caiado ficará ainda mais forte — com a possibilidade de ser reeleito no primeiro turno. É praticamente certo que Daniel Vilela será o vice de Ronaldo Caiado. Por isso chegou a hora de o presidente do MDB reabrir o diálogo com Adib Elias, Paulo do Vale e Renato de Castro. Vale lembrar o que disse o presidente Getúlio Vargas, que governou o país por quase 20 anos: “Nunca tive um amigo que não pudesse tornar-se um inimigo ou um inimigo que não pudesse tornar-se amigo” (variação da frase: “Inimigos, não sei se os tenho. Mas se os tiver, não serão jamais tão inimigos que não possam vir a ser amigos”). Não há a menor dúvida de que a raiva, como disse Tancredo Neves, não é um elemento constitutivo dos políticos vencedores. Adib Elias e Daniel Vilela deveriam sentar-se à mesa, dialogar e entender que, às vezes, para ganhar uma eleição — sobretudo contra um grupo que mandou no Estado por 20 anos —, é preciso pensar como estadista. Ronaldo Caiado está agindo com inteligência, ao travar uma aliança possivelmente forte contra ele e ampliando sua própria aliança. Então, é preciso que homens inteligentes, como Adib Elias (é um trator, mas de coração imenso, sempre generoso), Paulo do Vale, Vanderlan Cardoso, Roberto Naves e Lissauer Vieira se irmanem pelo projeto maior — que é garantir a vitória de Ronaldo Caiado, e já no primeiro turno, quiçá. Quem pensa pequeno — por exemplo, em vingança pessoal — às vezes esmaga os próprios projetos. Fonte: https://www.jornalopcao.com.br/

domingo, 22 de agosto de 2021

Informa Tudo DF Início Brasília Mais mobilidade no DF: Ibaneis Rocha inaugura Nova ponte na Rua 4... BRASÍLIANOTÍCIAS Mais mobilidade no DF: Ibaneis Rocha inaugura Nova ponte na Rua 4 de Vicente Pires

 


Nova ponte na Rua 4 de Vicente Pires vai melhorar a vida de 20 mil pessoas

Estrutura inaugurada nesta sexta (20) vai permitir que moradores cheguem a Taguatinga sem pegar a EPTG, economizando tempo no trânsito

Vicente Pires ganhou nesta sexta-feira (20) mais uma obra estruturante: a ponte da Rua 4. Com 82 metros de extensão e 13,8 metros de largura, a estrutura erguida sobre o Córrego Samambaia liga a Rua 4 até a Avenida da Misericórdia, beneficiando mais de 20 mil pessoas diariamente. Foram investidos R$ 2,3 milhões na obra, que gerou mais de 170 empregos.

Para o governador Ibaneis Rocha, as inúmeras obras mostram que a atual gestão abraçou a cidade para entregar a infraestrutura que os cerca de 72 mil moradores da cidade merecem | Foto: Renato Alves / Agência Brasília

Também nesta sexta (20), foi inaugurado na cidade um Ponto de Encontro Comunitário (PEC) na Rua 4 e um jardim em frente à Administração Regional.

Para o governador Ibaneis Rocha, as inúmeras obras mostram que a atual gestão abraçou a cidade para entregar a infraestrutura que os cerca de 72 mil moradores da cidade merecem.

“No início do nosso mandato vimos o filme de terror que as pessoas viviam na cidade com as chuvas e as lamas, mas mostramos a eles que tem solução. Instalamos o gabinete de crise e colocamos como determinação do nosso governo transformar a vida dessa população”, disse o governador.

“Tocamos as obras dessa cidade com muito carinho. Essa ponte cria mais uma via de acesso e ligação da cidade com Taguatinga e região. E vamos chegar ao final do nosso governo com mais de mil obras realizadas”, acrescenta Ibaneis Rocha.

Secretário de Obras, Luciano Carvalho destaca que o governo “entrou com muita determinação em Vicente Pires e tem feito as entregas necessárias para a cidade. Vicente Pires era dividida e agora ela é unida por essa ponte”, afirma.

Administrador de Vicente Pires, Daniel de Castro explica o quanto a ponte vai beneficiar os moradores. “Essa é uma excelente obra para a população, pois destrava o trânsito por aqui ao oferecer acesso direto a Taguatinga Centro, ao Pistão Norte. Antes, os motoristas perdiam tempo indo até a EPTG, onde há muito engarrafamento. Agora, eles vão economizar 40 minutos ao optar por passar pela ponte”, afirma.

Mais obras

Em continuidade à implantação da infraestrutura da Região Administrativa, o GDF tem feito as obras remanescentes de pavimentação, drenagem, calçadas e meios-fios das ruas 5, 6, 8, 10 e 12. São mais de R$ 36 milhões em investimentos.

O novo contrato prevê a execução de 228,9 mil metros quadrados de pavimentação, 10,6 mil metros de drenagem e 69,6 mil metros quadrados de calçadas. O projeto também contempla a conclusão de 398 metros de uma galeria subterrânea. Serão executados, entre outros serviços, a conclusão da drenagem e da pavimentação de trechos das ruas 5, 6 e 12 e a conclusão dos meios-fios e das calçadas das ruas 5, 6, 8, 10 e 12. Fonte: Agencia Brasilia

Números de investimentos na cidade

Mais de R$ 552 milhões em obras
1,2 mil empregos gerados
110 km de calçadas
128 km de redes pluviais
130 km de vias pavimentadas
260 km de meios-fios
24 bacias de contenção
80 lombadas
86 dissipadores
3 mil lixeiras instaladas

sexta-feira, 20 de agosto de 2021

Governo de Goiás reajusta em até 7,20% salários dos aposentados e pensionistas da Educação

 

Proposta encaminhada pelo governador Ronaldo Caiado à Assembleia Legislativa inclui servidores inativos da rede estadual de ensino. Benefício deverá ser pago a partir de outubro Por determinação do governador Ronaldo Caiado, todos os pensionistas e aposentados da rede estadual de educação foram incluídos no reajuste salarial anunciado no último dia 17 de agosto. A previsão do Governo de Goiás é de que o benefício comece a ser pago já a partir da folha de outubro, mês dedicado às comemorações do Dia dos Professores. A proposta de reajuste salarial já foi encaminhada à Assembleia Legislativa, onde deverá ser aprovada em breve. O aumento salarial contemplará 34.860 servidores inativos e terá um impacto mensal da ordem de R$ 9.434.750,08. Por ano, o investimento na folha de pagamento representará um custo de R$ 113.217.000,96. Somando o pagamento dos salários dos ativos e inativos, o reajuste representa um acréscimo de R$ 19.466.834,26 mensais na folha de pagamento da Educação. O reajuste seguirá os mesmos critérios adotados no cálculo dos vencimentos dos servidores na ativa. Ou seja, quem se aposentou ou recebe pensão referente ao cargo de professor P-1, P-2 ou do quadro transitório terá direito a 4,52% de aumento. Já para os professores nível P-3 ou P-4 e servidores administrativos, a adequação será de 7,20%. Reconhecimento O reajuste salarial que será concedido aos servidores da educação foi anunciado pelo governador de Goiás, na última terça-feira (17/08), durante entrevista concedida à Rádio CBN Goiânia e ao jornal O Popular. Para Caiado, a medida é uma forma de reconhecer o trabalho realizado pelos educadores desde o início da pandemia da Covid-19. “Realmente é um time que eu, todo dia, agradeço, porque eles revolucionaram a Educação no Estado de Goiás. Essas professoras e professores foram de um empenho, de uma dedicação, de um carinho… E eu, também, tenho tentado cumprir com eles”, afirmou ele. Auxílio de aprimoramento Durante a entrevista também foram anunciadas duas outras notícias: a criação do Auxílio Aprimoramento e a realização de um concurso público para contratação de novos professores. O auxílio, no valor mensal de R$ 500, será destinado a todos os servidores ativos da Secretaria de Estado de Educação e o dinheiro busca incentivar a formação continuada dos profissionais. Já o concurso público deverá abrir, pelo menos, 3.500 novas vagas em diferentes áreas. Segundo a secretária Fátima Gavioli, já está em andamento um estudo para análise do quadro de professores, mas já se sabe que, desde 2018, foram concedidas 3.500 aposentadorias e foram registrados 3.200 óbitos. O objetivo do concurso é preencher essas vagas em aberto. Secretaria de Estado de Educação (Seduc) – Governo de Goiás

Prefeito de Águas Lindas de Goiás se destaca no Estado por sua gestão Sinônimo de Lucas é trabalho


 A Redação Desde sua posse em janeiro de 2021, Dr. Lucas Antonietti se debruçou sobre as necessidades de nossa cidade, e de lá pra cá seu nome é trabalho. Visita os bairros e as ruas buscando ouvir e encaminhar para possíveis atendimentos, os reclames do povo e trabalhadores locais, moradores, comerciantes e afins. Com os trabalhos já promovidos pela gestão do prefeito Lucas Antonietti, quem chega em Águas Lindas de Goiás percebe sua nova realidade. Novas paradas de ônibus, rotatórias e espaços públicos revitalizados com gramas e flores, prédios públicos pintados e conservados, lixeiras nas principais avenidas e ruas da cidade e o principal no tocante a saúde, a vacinação em postos e drive-thrus 24 horas. A Secretaria Municipal de Saúde trabalha atualmente na vacinação contra a Covid- 19 na faixa etária de 18 anos ou mais. Fonte:http://www.jornalaguaslindas.com.br/ Foto Jornal de Brasília

Bolsonaro decide vetar totalmente artigo que previa fundo eleitoral de R$ 5,7 bilhões Por Valdo Cruz--


 O presidente Jair Bolsonaro decidiu vetar totalmente o artigo da Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO) que definia regras para formação do Fundo Eleitoral. O artigo previa que o fundo seria financiado com base em 25% do orçamento da Justiça Eleitoral deste e do próximo ano. Cálculos de analistas do Congresso indicavam que, por essa regra, o valor poderia ficar em R$ 5,7 bilhões. O novo valor do fundo será definido na votação do Orçamento Geral da União. A equipe econômica defende um valor de R$ 2,1 bilhões, que seria a correção do último valor pela inflação. Bolsonaro ainda não oficializou a decisão de vetar o artigo sobre o fundo eleitoral. O prazo final para sancionar ou vetar é esta sexta-feira (20). O presidente já vinha dizendo publicamente que vetaria. O valor de R$ 5,7 bilhões, aprovado pelo Congresso, teve repercussão negativa, por ser muito acima do montante das últimas eleições. Fonte: https://g1.globo.com/

sexta-feira, 13 de agosto de 2021

Aprovado projeto que aumenta limite de receita para microempreendedor

 Foto: Waldemir Barreto/Agência Senado À tribuna, o senador Marcos Rogério (DEM-RO) apresenta seu relatório favorável à proposta do senador Jayme Campos (DEM-MT); texto segue para a Câmara dos Deputados

Com 71 votos favoráveis, nenhum contrário e nenhuma abstenção, o Plenário do Senado aprovou nesta quinta-feira (12) o Projeto de Lei Complementar (PLP) 108/2021, que aumenta pra R$ 130 mil a receita bruta anual permitida para enquadramento como Microempreendedor Individual (MEI). A proposta, que segue para a análise da Câmara dos Deputados, ainda autoriza o MEI a contratar até dois empregados. De autoria do senador Jayme Campos (DEM-MT), o projeto teve relatório favorável do senador Marcos Rogério (DEM-RO), que incluiu apenas uma emenda. Hoje a Lei Complementar 123, de 2006 — Estatuto Nacional da Microempresa e da Empresa de Pequeno Porte — enquadra como MEI o empresário individual que tenha auferido receita bruta, no ano-calendário anterior, de até R$ 81 mil, que seja optante pelo Simples Nacional e observe as demais condições legais. Entre as quais, a de que o empreendedor só pode empregar uma única pessoa que receba exclusivamente um salário-mínimo ou o piso salarial da categoria profissional. O PL aumenta para R$ 130 mil o limite de faturamento. Em caso de empresa recém-aberta, o limite será de R$ 10.833,33 multiplicados pelo número de meses compreendido entre o início da atividade e o final do respectivo ano-calendário. O projeto ainda amplia o limite de contratação para até dois empregados dentro das condições da legislação anterior. Para os casos de afastamento legal de um ou de ambos empregados do MEI, será permitida a contratação de empregados em número equivalente aos que foram afastados, inclusive por prazo determinado, até que cessem as condições do afastamento, na forma estabelecida pelo Ministério do Trabalho e Emprego. A redução de receita decorrente da conversão em lei deste projeto foi estimada pela Consultoria de Orçamento do Senado em R$ 2,32 bilhões para o ano de 2022, de R$ 2,48 bilhões para o ano de 2023 e de R$ 2,64 bilhões para o ano de 2024. Redução da informalidade Na justificação, Jayme Campos destaca os benefícios sociais e econômicos da criação da figura do MEI, entre os quais o estímulo à atividade econômica e o incentivo à redução da informalidade. Em seu relatório, Marcos Rogério lembra que a própria Constituição, nos artigos 170 e 179, prevê o tratamento favorecido para empresas de pequeno porte: “A importância da figura do Microempreendedor Individual para a economia, para a geração de empregos, para a redução do trabalho informal e para a garantia de trabalho e renda de inúmeras famílias é amplamente reconhecida”, sublinha. O relator menciona dados do governo segundo os quais o número de MEIs cresceu 8,4% no ano de 2020. Ao final de 2020 existiam 11,2 milhões de MEIs ativos no Brasil, correspondendo a 56,7% do total de negócios em funcionamento. Para ele, “trata-se de medida capaz de contribuir para a redução da burocracia e reforçar os incentivos à regularização e expansão de pequenos negócios”. Emendas O relator rejeitou as sete emendas apresentadas pelos colegas à proposta, pois que considerar que levariam à redução de receitas tributárias sem apresentação de estimativa de impacto orçamentário-financeiro. Sobre a emenda oferecida pelo senador Izalci Lucas (PSDB-DF), que previa a possibilidade de que corretores de imóveis possam ser enquadrados como MEIs, Marcos Rogério disse que a profissão já é tributada sob outra metodologia, nos termos do Estatuto Nacional da Microempresa e da Empresa de Pequeno Porte. Outra emenda, do senador Paulo Rocha (PT-PA), propunha vetar o aumento de contratação de funcionários pelo MEI, mas o relator disse que a medida “não ajudaria a diminuir os riscos de fraudes trabalhistas envolvendo o mau uso do instituto”. Jayme Campos defendeu o projeto de sua autoria como forma de simplificar os negócios e impulsionar a economia, beneficiando pessoas que estão passando momentos difíceis, na crise econômica causada pela pandemia de covid-19. Ele prevê a formação de uma “nova ordem econômica” no mundo em reação à pandemia de covid, diante da qual, salientou, o Brasil precisa buscar novas perspectivas de desenvolvimento. — A retomada do crescimento econômico e da geração de mais e melhores empregos passa, sem dúvida nenhuma, pelo apoio aos pequenos negócios — definiu. O senador Jorginho Mello (PL-SC), declarando-se “entusiasta” do apoio à pequena empresa, manifestou apoio ao projeto, mas previu que a renúncia fiscal poderá gerar algum problema para o governo. Já o senador Izalci Lucas (PSDB-DF) defendeu emenda apresentada pela senadora Mara Gabrilli (PSDB-SP) e rejeitada pelo relator, que beneficiava as pessoas com deficiência. Ele cobrou reforma tributária capaz de simplificar os negócios. O senador Paulo Rocha reiterou sua preocupação com a precarização das relações de trabalho, e o senador Veneziano Vital do Rêgo (MDB-PB) apontou incongruência na preocupação do governo com perda de receita. — Quando o governo federal abdica [neste momento] de R$ 2,5 bilhões, a um tempo você tem milhões de brasileiros que não integrarão níveis de miséria e de pobreza que requerem ajuda de programas sociais — observou Veneziano. MEI Entre os benefícios de ser MEI, está a emissão de CNPJ, dispensa de alvará e licença para as atividades; possibilidade de vender para o governo; acesso a produtos e serviços bancários como crédito; baixo custo mensal de tributos (INSS, ISS e ICMS) em valores fixos; possibilidade de emissão de emitir nota fiscal; além de direitos e benefícios previdenciários (aposentadoria por idade, aposentadoria por invalidez, auxílio-doença, salário maternidade e pensão por morte para a família). O imposto devido — o DAS (Documento de Arrecadação do Simples Nacional do MEI) — é um valor fixo atualizado apenas uma vez por ano, junto com o aumento do salário mínimo. O MEI ainda recebe apoio técnico do Sebrae, com palestras, oficinas e cursos para alavancar os negócios, preparar a abertura da empresa e sobre os direitos e obrigações do MEI. Fonte: Agência Senado